17 de novembro de 2010

Quadros (3)

Abriu o jornal e leu a notícia que rezava assim: Jasmonate perception by inositol-phosphate-potentiated COI1–JAZ co-receptor: E achou normal que assim fosse. o caracol divertia-se à brava a andar a toda a velocidade no skate.

a notícia seguinte garantia que An unprecedented nucleic acid capture mechanism for excision of DNA damage O que achou normalíssimo dado que. e estalava a língua sempre que proferia aquele dado que. para ela tudo acabava com um estipulativo dado que não dando margem a que se perdesse mais tempo em proliferas e prolixas demonstrações. um dado que tinha um estatuto ontológico superior ao de um et coetera. o caracol sofria euforicamente a vertigem da aceleração.

a boneca de trapos estimava que essa emoção resultava da segunda derivada neodamasiana cerebelosa. [os velhos pouco se importavam com isso. para eles o secretus secretorum estava no cartear e nos poucos sinais que o par adversário fingia ignorar. eram os mesmos sinais que fingiam incorporar na mesma estratégia estafada com que ora perdiam ora ganhavam. a coruja ria-se dos velhos a quem atribuía a crença de que o tempo era algo que só poderia acontecer no intervalo de dois jogos. sempre era tempo para escorropichar um copito] o caracol aproximou-se do grupo o skate fazendo um ooo00OOO00ooo arrevesado e enxugou os cornichos suados com a palma da mão.

o ouriço bem queria saltar para cima do caracol e ir de boleia mas arriscava-se a empalar o caracol com algum espinho mais descuidado. depois lá se ia a boleia. a gata que era esperta percebeu a intenção do ouriço encolheu as espáduas ditando a sentença que todas as fêmeas proferem desde o início dos tempos: machos. :) não se sabia nada da frente de guerra. apenas os magalas feridos continuavam a passar uns de maca outros pelos seus pés outros suposto que mortos empilhados nas carroças puxadas a bois :-(

o cão farejava à esquerda e à direita para cima e para baixo sob os pneus dos carros e no espaldar dos troncos das árvores. e ladrava às sombras que se acoitavam nas copas onde o sol não chegava para as vassoirar.

abrir ou não a caixa?

Etiquetas:

1 Comentários:

At 18/11/10, 10:59, Blogger Justine comentou...

Oh homem, a caixa já está escancarada!

 

Enviar um comentário

<< Página inicial