26 de setembro de 2008

Retornado de fresco

Havia motivos de sobra para regressar ao pequeno rectângulo, mas a notícia de que o Gervásio vai ser pai funcionou como uma mola impulsionadora, como a poção mágica do Panoramix.

Dizia-me aquele sonso que não tinha razões para engatar na via do matrimónio e da paternidade. Agora que todos os esquisitos reivindicam o direito a casar e a perfilhar, aquele macho lusitano fazia-se de distraído ruminando erva fresca lá para os fundos da campina. Lembro-me que fui eu o pretexto, de certo modo. Mas só de certo modo. Tendo anunciado, no ano passado, que me ia afastar rumando ao Norte, e que talvez passasse no Tâmega para contactar ao vivo a doutora cujo blogue visitava, perdi-me (em sentido espacial) e fui parar aos Pirinéus. Descendo depois cheguei ao deserto sariano onde fiquei até adoecer. O meu amigo zarpou logo para o Norte, quando deixei de dar notícias, seguindo a minha pista. Foi ele quem conheceu a doutora, que não tenho ainda o prazer de conhecer. Conheceu-a em sentido bíblico, que é assim que deve ser.

Estou a ver a cena da Anunciação: o Gervásio, que não é pomba, antes parece avestruz, chega ao pé da senhora (não garanto se era virgem, o que acho irrelevante, além de ser uma situação demasiado vista) e diz que vem da parte da família do Perdido por causa do Perdido que, parecia a todos, andava perdido. A senhora, sem ouvir o resto do discurso, porque é culta, respondeu logo fiat voluntas tua. E porque fazia um frio danado lá pelas altas serranias, aconchegou-o e aqueceu-o com um Favaios da região. Gostaram ambos da conversa, ficando logo, desde o primeiro dia, conversados. É claro que palavra puxa palavra e, no meio de tanto fraseado, havia de sair fedelho. Assim, por me ter perdido, me acho padrinho. Sorte a minha é ter por comadre a Maria Carvalhosa do blogue das rosas sem espinhos (que é como sardinha sem espinhas e outras taras geneticamente modificadas) que é pessoa bem disposta e com quem me vou divertir. Estou a ver os nossos jovens amigos a olhar para nós da plateia e a comentarem: "os velhos dos marretas". Bem, a vida não é para levar a sério e uma boa risada cura todos os males da "alma".

Esta lenga-lenga já vai longa, pelo que deixarei para amanhã as primeiras impressões sobre a minha travessia do deserto. Também as derradeiras impressões da viagem de regresso. É sempre uma experiência nova refrescar a memória do pequeno rectângulo quando se chega de fora.

A todos (incluindo as todas) que ainda não cumprimentei, abraços e beijinhos.

4 Comentários:

At 27/09/08, 09:57, Blogger instantes e momentos comentou...

ótimo post. Vim para conhecer e gostei muito daqui. Parabens, muito bom.
Tenha um belo final de semana.
Maurizio

 
At 27/09/08, 15:05, Blogger poetaeusou . . . comentou...

*
sublime prosa
em humor subtil . . .
,
abç,
,
*

 
At 27/09/08, 20:13, Blogger a miúda comentou...

Que bom teres voltado!
Obrigada pela visita!
:)

 
At 30/09/08, 11:06, Blogger Teresa Durães comentou...

excelente humor! O que dirá a doutora?

 

Enviar um comentário

<< Página inicial