24 de julho de 2007

Do Sítio do Tremontelo até à Grande Cidade

Levantei-me às seis e meia e fui para o jardim podar as roseiras. Tenho para lá uma profusão de rosas de Santa Teresinha (que diacho de Teresa será esta, a minha querida espanhola exaltada, ou a rata de água benta de Lisieux?). Estas roseiras dão muitas flores pequeninas em cacho, brancas ou com uma suave tonalidade rosada. Quando murcham ficam com uma cor de branco escuro, pendentes e aos magotes. Quando as vejo assim ponho-me a conversar com, à falta de botões, os elásticos do pijama: "o que vocês querem sei eu!" (Com a entoação digna de um gato fedorento palitando a dentuça arrimado a uma esquina de um sítio qualquer). Vou-lhes com a tesoura e dou-lhes uma poda à maneira. O resultado é esplendoroso e, daqui a uma duas semanas, estarão carregadíssimas de botões que irão fogo-de-artificiar até à próxima vindima.

Ao fim da manhã já me tinha amanhado para sair e fui à oficina a Santarém comprar e substituir a escova para o limpa-pára-brisas traseiro. Porque isto do aquecimento global está mesmo a aquecer e a gente já não sabe se vai estar sol ou chuva, calor de rabo ou frio de enregelar.

Vim almoçar a Lisboa e, agora, estou a digerir, não sei se a dobradinha, se o feijão catarino, enquanto matraqueio o teclado com esta conversa que as excelências estão a ler. Como está calor, despi-me todo. Todo não, só a roupa! Porque isto de as pessoas se despirem tem muito que se lhe diga. Por isso o Poeta diz que o poeta é um fingidor. E os meus gatos têm toda a razão: eles acham que os bípedes humanos se vestem de palavras. E com elas escondem a sua nudez...

Etiquetas: ,

3 Comentários:

At 25/07/07, 01:22, Blogger Teresa Duraes comentou...

Nunca tive qualquer pendor para agricultura... salta a família paterna do túmulo, toda ela dedica a esse santo ofício. E ainda para contrariar, gosto de cães. Montes deles e aos magotes tal Idade Média. Ou antes dela que água benta também faz parte do meu carácter mas a cerveja e os caracóis entram que nem ginga (de Óbidos) nas partes problemáticas da vida. Mal de mim se fosse sempre assim!! Sou antes um up and down (e tenho o azar de saber a sua profissão por isso calo-me)

Vivam as plantas e essas cousas todas e o fim de semana que não se trabalha (e as louras num copo!)

 
At 25/07/07, 16:33, Blogger Teresa Duraes comentou...

a indiscrição de C. foi devido à minha curiosidade inacabada quando soube que sabia.... não se zangue com quem não deve, please! pq desses que vasculham o sotão tenho horror por experiência

 
At 29/07/07, 23:08, Blogger APC comentou...

45 graus em Santarém, hoje! :-O Ufaaaaa...! Solidarizo-me. Bebi mais chá gelado num dia do que em toda a nha vidita. Mas importa que nos não falte chá, essa é que é essa. E a prova de que o vou tendo, é que saio daqui com uma dúvida na garganta, mas perguntar eu não pergunto. Seja como for, se um dia ela me acicatar de novo, eu mostro-lhe/te/nhe (???) um post meu e a reacção a ele logo me responderá... Ou não! :-S

Numa de adjectivação livre, deixo uns abraços estios.

 

Enviar um comentário

<< Página inicial